quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Trens e bondes em Campo Grande


Campo Grande é o bairro mais populoso do município do Rio de Janeiro, com aproximadamente 350.000 habitantes (IBGE/2010). Pode-se afirmar que o começo do crescimento populacional do bairro está atrelado à implantação, em 1878, de uma estação da Estrada de ferro D. Pedro II em Campo Grande. O primeiro trecho dessa estrada de ferro foi inaugurado em 1858, ligando a freguesia de Santana a Queimados (atual município da Baixada Fluminense). Vinte anos depois chega a Campo Grande, impulsionando o crescimento populacional do bairro, ligando-o ao restante da cidade. Assim, o transporte ferroviário acabou auxiliando na transformação desta região tipicamente rural em urbana, ao facilitar o acesso até o centro da cidade.
Em 1894, com a concessão cedida à empresa particular Companhia de Carris Urbanus para explorar a linha de bondes à tração animal, surgiu a possibilidade das localidades mais distantes serem alcançadas, facilitando o desenvolvimento urbano interno. A linha de bonde puxado a burro entre Campo Grande e Santa Clara foi inaugurada em 1898. Com os trens e os bondes, Campo Grande passou a ter acesso a pontos distantes do Rio de Janeiro. O bonde de Campo Grande foi uma das últimas linhas a sair de operação, em 1967. A partir de 1915, os bondes à tração animal foram substituídos pelos elétricos, permitindo maior mobilidade e integração entre os núcleos semi-urbanos já formados. A Companhia de Bondes Elétricos de Campo Grande e Guaratiba passou a operar em 17 de maio de 1917.
Abaixo, duas fotos  da Avenida Cesário de Melo do mesmo ponto, em épocas diferentes:
Década de 1960, com o bonde
Século XXI, com carros e ônibus

Tombada pelo IPHAN, a antiga Usina de Bondes localiza-se exatamente no entroncamento entre a estrada do Mato Alto e a estrada do Magarça, no largo do Monteiro. Alvo de discussão, por ficar no caminho de um projeto de duplicação da estrada do Mato Alto, a Usina permanece por ser patrimônio tombado.

A Usina de Bondes de Campo Grande em épocas diferentes: A primeira, século XXI; a segunda, década de 1960.

Até a construção das estradas de rodagem, os bondes serviram na produção agropecuária de Campo Grande e áreas adjacentes. Após isso, o serviço ficou reduzido a passageiros e pequenas cargas que não eram aceitas nos ônibus. Mesmo assim, em maior número, os ônibus não anularam os bondes, já que, ainda em 1962, os bondes de Campo Grande transportavam aproximadamente meio milhão de pessoas. 
Com o fim dos bondes em Campo Grande, no ano de 1967, restaram algumas marcas de trilhos pelo bairro durante décadas seguintes, apagadas com o tempo e pelo progresso na região, ditado pela urbanização em andamento na área.




15 comentários:

  1. Muito legal conhecer a história do meu bairro !!!!

    ResponderExcluir
  2. Muito legal conhecer a história do meu bairro !!!!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado, Simas. É bom saber que você, assim como outras pessoas, se interessa pela história de nosso bairro. Um povo sem história é um povo sem futuro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei bastante de seu blog . Me interessei pela matéria , pois meu avô materno foi um dos condutores de bonde elétrico creio que ainda na década de 60 .Ele era morador do local ( uma rua na Est . do Mato Alto ) bem próximo exatamente á Usina ( até á alguns anos atrás , ela era uma fábrica de ferramentas pertencente á COMLURB ; hoje em dia foi transformada na DSO - DIRETORIA DE SERVIÇOS URBANOS , tb da COMLURB ). Segundo minha mãe , o trajeto feito por ele era até a Pedra de Guaratiba , e levava cerca de 2 horas pra chegar até lá .Como nasci em 1972 não cheguei á ver um bonde em ação , mas na minha infância ainda existiam vestígios dos trilhos na Est . do Magarça onde resido até hoje .OBS : Caso seja de seu conhecimento os nomes dos condutores das linhas dessa usina , gostaria de ser notificado . Sou grato pelas informações transmitidas na matéria .

      Excluir
    2. Obrigado pela visita ao blog, Alex Vieira. Como é bom saber que meu trabalho, de uma forma ou de outra, atinge a população de Campo Grande e desperta interesse em saber mais. Com relação aos nomes dos condutores, não tenho conhecimento. Se tiver algo sobre a história do bairro, pode entrar em contato comigo. Um abraço.

      Excluir
    3. Eu conhecir os bondes eu viajei muitas véźes nesta epoca eu moráva no largo do monteiro .viaja sempre nos bondes . Nos tempo de carnaval era gostosso era uma epoca muinto boa tempo bon jamais volta .so ficou saudades .meu none REi ferreira pinto eu tenho 75 anos ,adeus tempo bom

      Excluir
  4. Ola sou aluno da professora Aline Xavier. Meu nome é Rodrigo e gostei muito das informacoês sobre o bondinho... Nem sabia que Campo Grande tinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Rodrigo. Além de bondes, Campo Grande tem muito mais curiosidades que boa parte da população não conhece. Sempre que quiser saber mais um pouquinho sobre o bairro, visite o blog.Um abraço.

      Excluir
  5. Sou aluna da professora Aline Xavier,do CDM.Nem sabia que em Campo Grande tinha bondinhos,muito curioso.Meu nome é Giovanna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Giovanna. Até há algumas décadas, ainda existiam marcas de trilhos de bondes pelo centro de Campo Grande.O progresso chegou e levou o passado. Obrigado por visitar o blog.

      Excluir
  6. sou nascido no rio da prata, na vila jardim, andei muito naqueles bondes,tenho 76 anos, tinha alguns amigos motorneiros, cobradores e fiscais,porque quando viajava nos bondes eu fazia o papel de manobrista nas chaves de linha dos bondes,sem pagar passagens,de 1958 a 62 servi a aeronautica em santa crus e viajei muito naqueles bondes,morava na estrada do cabuçu 2308, depois mudei para belford roxo, nem soube do fim dos bondes, que era minha doença pessoal por brincar de bondes com latas de marmeladas, emfim e muita istoria pra contar faria um livro da minha vida

    ResponderExcluir
  7. Estudei no Colégio Agrícola do Estado da Guanabara localizado na antiga Fazenda Modelo, na Estrada do Mato Alto. Na frente da Fazenda Modelo passava bonde e cheguei a usar o bonde por duas vezes.
    Este colégio existiu apenas por dois anos,1964 a 1966
    Gostaria de me comunicar com quem estudou nesse colégio agrícola.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Claudio. Obrigado por visitar o blog. A respeito do assunto, se tiver alguma foto ou imagem desse colégio, por favor entre em contato comigo. Obrigado e volte sempre.

      Excluir