segunda-feira, 15 de outubro de 2018

O Instituto de Educação Sarah Kubitschek

    Localizado na Avenida Manoel Caldeira de Alvarenga, no bairro de Campo Grande, o Instituto de Educação Sarah Kubitschek, que leva o nome da primeira dama do Brasil, de 1956 a 1961, esposa do então presidente, Juscelino Kubitschek, é um dos estabelecimentos de ensino mais importantes e tradicionais da Zona Oeste.
    Origem de um projeto do vereador Miécimo da Silva, criando a Escola Normal de Campo Grande, que fora aprovado em 1957, o instituto tornou-se realidade em 1959, quando foi inaugurada a Escola Normal Sarah Kubitschek.
    No início, funcionou em dependências provisórias na Escola Venezuela, localizada entre a Avenida Cesário de Melo e a Rua Amaral Costa. Em 1960, ganha uma sede própria, em um prédio adaptado pelo governo do Rio com a finalidade de abrigar as normalistas e os alunos do Jardim de Infância experimental, na Rua Augusto de Vasconcelos. Em 12 de outubro de 1974 foi inaugurada a sede atual, na já citada Avenida Manuel Caldeira de Alvarenga, como Instituto de Educação.
    Com a criação do "Sarah", como é chamado e conhecido por muitos moradores da região, estava atendida uma antiga reivindicação da população do antigo Sertão Carioca, já que, antes da existência do Instituto, as pretendentes a professoras precisavam cursar no Instituto de Educação, na distante Tijuca. Além disso, os professores que lecionavam na Zona Rural, vindos de outras partes do Rio de Janeiro, depois de um certo período acabavam pedindo "remoção" para escolas mais próximas de suas moradias.
    Assim, com o surgimento do Sarah, grande parte desses problemas acabaram, com a escola sendo um polo de geração de professoras e professores (os moços começaram a ser admitidos em 1962, mas as moças continuam sendo esmagadora maioria) até os dias atuais, personificando um símbolo da educação na região.

58 anos do Instituto, em 2017. Imagem: Fonte: enemconectado.

Referências bibliográficas:
iesarahkubitschek.blogspot.com
O Velho Oeste Carioca - Vol. III - André Luis Mansur

4 comentários: